quarta-feira, 15 de abril de 2015

O mito do pH: a alimentação é capaz de influenciar o pH sanguíneo? — Parte 3




Para quem não leu ou ainda não teve a oportunidade de ler, sugiro fortemente a leitura dos dois primeiros posts dessa série:

Na terceira e última parte, veremos qual é o efeito da ingestão de alimentos e dietas “acidificantes” sobre diversos marcadores e parâmetros de saúde, especialmente a saúde óssea — que é normalmente a mais citada como prejudicada quando a dieta é mais “acidificante” do que “alcalinizante”.


Estudos observacionais sobre a influência de alimentos “acidificantes” na saúde óssea

Sabemos que estudos observacionais estão muito longe de serem ideais para se determinar relações de causa e efeito. De qualquer maneira, vejamos o que eles têm a dizer sobre a hipótese que estamos discutindo.

Como era de se esperar, considerando o que foi discutido nos estudos do post anterior dessa série, as evidências provenientes a partir de estudos observacionais sugerem que dietas com elevada carga ácida (ricas em proteínas, enxofre ou fosfato) [1], em homens ou mulheres — adultos ou idosos —, não estão associadas à menor densidade mineral óssea, à dureza ou força dos ossos, ao risco de fratura ou ao risco de desenvolvimento de osteoporose [2,3,4,5]. De forma semelhante, a excreção ácida ou o baixo pH na urina — ambos marcadores do consumo de uma dieta “acidificante” — não estão associados ao risco de fratura ou ao desenvolvimento de osteoporose [6].

Além disso, a maior ingestão de proteínas na dieta, principalmente aquelas de origem animal, é consistentemente associada à maior densidade mineral óssea, ao menor risco de fraturas e também ao menor risco de desenvolvimento de osteoporose [7,8,9,10,11,12,13,14,15,16,17,18,19]. Ou seja, mais uma vez temos boas evidências de que alimentos “acidificantes”, como aqueles ricos em proteínas [1], fazem justamente o contrário do que dizem por aí: eles podem melhorar, ao invés de piorar, a saúde óssea.

Quando, em estudos observacionais, não são encontradas evidências negativas da influência de dietas “acidificantes” sobre esses parâmetros de saúde, a verdade é que nem seria realmente necessário discutirmos o que os ensaios clínicos — aqueles estudos que têm maior capacidade de estabelecer relações de causa e efeito — apresentam como resultados para a relação entre dietas “acidificantes” e a saúde óssea. Mas, para fortalecermos nosso argumento, vejamos a seguir o que esses estudos têm a nos mostrar.


Ensaios clínicos que testaram o efeito de alimentos “acidificantes” na saúde óssea

O conjunto de evidências dos ensaios clínicos que avaliaram o efeito de dietas “acidificantes” e dietas ricas em proteínas sobre o metabolismo ósseo sugere que estas possuem um efeito neutro, ou levemente benéfico, no que diz respeito à manutenção da densidade mineral óssea, no risco de fraturas e em outros parâmetros que indicam boa saúde óssea [20,21,22,23,24,25,26,27].

Em alguns desses estudos, de fato há um aumento na excreção urinária de cálcio, e isso, a princípio, pode parecer ruim. Entretanto, é importante mencionar que uma maior excreção de cálcio não necessariamente significa que o corpo está “perdendo” cálcio, e muito menos que esse cálcio é proveniente dos ossos [21]. A regulação e manutenção do cálcio nos ossos vão muito além da absorção ou excreção desse micronutriente, sendo regulada por diversos outros fatores hormonais e metabólicos — como a vitamina D, os estrógenos e a vitamina K2. Na verdade, a maior excreção de cálcio, principalmente nesse contexto de não alteração de marcadores da saúde óssea, pode até ser benéfica, devido à possível redução na quantidade de cálcio livre circulante. (Mais sobre esse tema quando discutirmos a importância e o metabolismo da vitamina K2).

Além disso, um estudo de meta-análise de 2009 verificou que, em todos os ensaios clínicos analisados, a suplementação ou o maior consumo alimentar de fosfato (que teoricamente é um mineral “acidificante”) foram benéficos no sentido de diminuir a excreção de cálcio na urina — independentemente do fato da ingestão dietética de cálcio ser baixa ou alta nos indivíduos estudados [28].

Os resultados de outro ensaio clínico sugerem que a ingestão de proteína animal pode ser superior ao da proteína de soja, tendo em vista que a primeira parece aumentar a biodisponibilidade de cálcio proveniente da alimentação [29]. Adicionalmente, o maior consumo proteico durante a perda de peso pode auxiliar na manutenção da saúde óssea e reduzir a perda de massa mineral nos ossos [30,31]. Por fim, vale ressaltar que o consumo de leite ou de proteínas lácteas — que são considerados, por algumas pessoas, como “acidificantes” ou prejudiciais à saúde óssea — também possuem um efeito neutro ou potencialmente benéfico no metabolismo ósseo [26,32].


Massa muscular, câncer e outros aspectos

Alguns pesquisadores sugerem que dietas com maior carga ácida seriam responsáveis por “forçar” o organismo a metabolizar alguns tipos de aminoácidos, fazendo com que as proteínas musculares sejam degradadas para isso — potencialmente resultando na perda de massa muscular [33,34].

Entretanto, é sabido que um maior consumo de proteínas, não necessariamente acima do que normalmente é recomendado (cerca de 1,0 g/kg/dia), é capaz de maximizar o balanço nitrogenado em humanos [35,36]. De maneira semelhante, um consumo adequado de proteínas, assim como sua suplementação — principalmente na população idosa —, é capaz de atenuar a perda de massa muscular [37,38]. Ou seja, independentemente do que ocorra com o pH urinário, não há qualquer alteração do pH sanguíneo ou perda de massa muscular numa dieta com elevada carga ácida.

Em relação ao câncer, sabe-se há muito tempo que células cancerígenas e tumores normalmente se desenvolvem bem em ambientes ácidos, principalmente porque a redução do pH celular, ou extracelular, é deletéria para células normais, mas não para as células do câncer [39].

Por esse motivo, é possível presumir que dietas “acidificantes”, assim como outras condições clínicas ou patológicas que potencialmente modificam o pH sanguíneo, poderiam favorecer o desenvolvimento de pelo menos alguns tipos de câncer. Entretanto, não há qualquer evidência de que cargas ácidas provenientes da dieta seriam capazes de facilitar o crescimento de tumores [40], sem contar que são as próprias células cancerígenas que geram o ambiente ácido característico do câncer, devido ao aumento na via metabólica da glicólise anaeróbia e consequente produção de ácido lático [41]. Além disso, como discutido no último post, o pH sanguíneo não é modificado pela alimentação; por conseguinte, o pH de outros fluidos extracelulares — e muito menos do meio intracelular — também não será modificado pela alimentação.

E essa lógica final vale para praticamente todos os demais aspectos relacionados à saúde que teoricamente poderiam ser afetados por reduções do pH induzidos pela dieta.


Considerações finais

Em primeiro lugar, vale retomar o ponto chave dessa discussão: a modificação do pH urinário, principalmente no sentido de torná-lo mais alcalino (ou seja, aumento do pH), pode ser benéfica em alguns casos clínicos e patológicos. Isso não necessariamente implica em dizer que o pH urinário mais ácido será deletério, mas que, sim, um pH urinário mais básico pode auxiliar em algumas situações específicas. (Não citarei exemplos específicos para não sairmos do foco do texto e não torná-lo ainda mais longo).

Mas e as “dietas alcalinas”, que prometem diversos benefícios pelo fato de tornar nosso sangue e organismo menos ácidos? Funcionam?! Elas provavelmente serão efetivas e interessantes em alguns aspectos, principalmente por estimular o maior consumo de frutas e hortaliças. Porém, outros grupos alimentares que teoricamente são “acidificantes” — como as fontes de proteína animal — são fundamentais para garantir uma nutrição e saúde adequadas para boa parte da população, uma vez que fornecem diversos nutrientes essenciais. Portanto, é sempre importante avaliar as dietas, assim como os seus reais efeitos na saúde, a partir de uma perspectiva ampla e abrangente, para que seja possível visualizar de forma mais clara os benefícios — e potenciais “falhas” — que cada uma delas pode apresentar.

De qualquer maneira, após a exposição e discussão de todas essas evidências — incluindo os efeitos diretos da ingestão de alimentos “acidificantes” sobre o pH sanguíneo e sobre marcadores do metabolismo ósseo, assim como demais parâmetros de saúde —, acredito que está mais do que claro que a alimentação não é capaz de reduzir o pH do sangue. A partir dos estudos observacionais e dos ensaios clínicos apresentados nesse texto, fica evidente que dietas ricas em proteínas e “acidificantes” não levam à perda de cálcio ósseo para que o pH sanguíneo possa ser mantido dentro do intervalo ideal de 7,35 a 7,45 — se há algum efeito, esse efeito seria exatamente o oposto do apregoado: uma alimentação rica em proteínas, ou “acidificante”, beneficiaria a saúde e retenção de cálcio nos ossos.

Na nutrição, quando temos evidências sobre determinados assuntos, não podemos simplesmente “achar”. A ciência está aí para nos ajudar.


---  
Posts da série:


***
Se você vê valor no meu trabalho, considere fazer uma contribuição.




Referências

1. Remer T, Manz F. Potential renal acid load of foods and its influence on urine pH. J Am Diet Assoc. 1995;95(7):791-7.

2. Pedone C, et al. Quality of diet and potential renal acid load as risk factors for reduced bone density in elderly women. Bone. 2010;46(4):1063-7.

3. McLean RR, et al. Dietary acid load is not associated with lower bone mineral density except in older men. J Nutr. 2011;141(4):588-94.

4. Fenton TR, et al. Causal assessment of dietary acid load and bone disease: a systematic review & meta-analysis applying Hill's epidemiologic criteria for causality. Nutr J. 2011;10:41.

5. Jia T, et al. Dietary acid load, kidney function, osteoporosis, and risk of fractures in elderly men and women. Osteoporos Int. 2014 [Epub ahead of print].

6. Fenton TR, et al. Low urine pH and acid excretion do not predict bone fractures or the loss of bone mineral density: a prospective cohort study. BMC Musculoskelet Disord. 2010;11:88.

7. Munger RG, et al. Prospective study of dietary protein intake and risk of hip fracture in postmenopausal women. Am J Clin Nutr. 1999;69(1):147-52.

8. Tucker KL, et al. The acid-base hypothesis: diet and bone in the Framingham Osteoporosis Study. Eur J Nutr. 2001;40(5):231-7.

9. Promislow JH, et al. Protein consumption and bone mineral density in the elderly : the Rancho Bernardo Study. Am J Epidemiol. 2002;155(7):636-44.

10. Darling AL, et al. Dietary protein and bone health: a systematic review and meta-analysis. Am J Clin Nutr. 2009;90(6):1674-92.

11. Beasley JM, et al. Is protein intake associated with bone mineral density in young women? Am J Clin Nutr. 2010;91(5):1311-6.

12. Kumar A, et al. Impact of dietary intake, education, and physical activity on bone mineral density among North Indian women. J Bone Miner Metab. 2010;28(2):192-201.

13. Bonjour JP. Protein intake and bone health. Int J Vitam Nutr Res. 2011;81(2-3):134-42.

14. Beasley JM, et al. Biomarker-calibrated protein intake and bone health in the Women's Health Initiative clinical trials and observational study. Am J Clin Nutr. 2014;99(4):934-40.

15. Genaro PD, et al. Dietary protein intake in elderly women: association with muscle and bone mass. Nutr Clin Pract. 2014 [Epub ahead of print].

16. Hu T, et al. Protein intake and lumbar bone density: the Multi-Ethnic Study of Atherosclerosis (MESA). Br J Nutr. 2014;112(8):1384-92.

17. Radavelli-Bagatini S, et al. Dairy food intake, peripheral bone structure, and muscle mass in elderly ambulatory women. J Bone Miner Res. 2014;29(7):1691-700.

18. Sahni S, et al. Association of total protein intake with bone mineral density and bone loss in men and women from the Framingham Offspring Study. Public Health Nutr. 2014;17(11):2570-6.

19. The Relationship between Dietary Protein Consumption and Risk of Fracture: a subgroup and dose-response meta-analysis of prospective cohort studies. Sci Rep. 2015;5:9151.

20. Darling AL, et al. Dietary protein and bone health: a systematic review and meta-analysis. Am J Clin Nutr. 2009;90(6):1674-92.

21. Fenton TR, et al. Meta-analysis of the effect of the acid-ash hypothesis of osteoporosis on calcium balance. J Bone Miner Res. 2009;24(11):1835-40.

22. Cao JJ, Nielsen FH. Acid diet (high-meat protein) effects on calcium metabolism and bone health. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 2010;13(6):698-702.

23. Cao JJ, et al. A diet high in meat protein and potential renal acid load increases fractional calcium absorption and urinary calcium excretion without affecting markers of bone resorption or formation in postmenopausal women. J Nutr. 2011;141(3):391-7.

24. Kerstetter JE, et al. Dietary protein and skeletal health: a review of recent human research. Curr Opin Lipidol. 2011;22(1):16-20.

245 Sukumar D, et al. Areal and volumetric bone mineral density and geometry at two levels of protein intake during caloric restriction: a randomized, controlled trial. J Bone Miner Res. 2011;26(6):1339-48.

26. Zhu K, et al. The effects of a two-year randomized, controlled trial of whey protein supplementation on bone structure, IGF-1, and urinary calcium excretion in older postmenopausal women. J Bone Miner Res. 2011;26(9):2298-306.

27. Cao JJ, et al. Calcium homeostasis and bone metabolic responses to high-protein diets during energy deficit in healthy young adults: a randomized controlled trial. Am J Clin Nutr. 2014;99(2):400-7.

28. Fenton TR, et al. Phosphate decreases urine calcium and increases calcium balance: a meta-analysis of the osteoporosis acid-ash diet hypothesis. Nutr J. 2009;8:41.

29. Kerstetter JE, et al. Meat and soy protein affect calcium homeostasis in healthy women. J Nutr. 2006;136(7):1890-5.

30. Jesudasson D, et al. Comparison of 2 weight-loss diets of different protein content on bone health: a randomized trial. Am J Clin Nutr. 2013;98(5):1343-52.

31. Tang M, et al. Diet-induced weight loss: the effect of dietary protein on bone. J Acad Nutr Diet. 2014;114(1):72-85.

32. Fenton TR, Lyon AW. Milk and acid-base balance: proposed hypothesis versus scientific evidence. J Am Coll Nutr. 2011;30(5 Suppl 1):471S-5S.

33. Pizzorno J, et al. Diet-induced acidosis: is it real and clinically relevant? Br J Nutr. 2010;103(8):1185-94.

34. Adeva MM, Souto G. Diet-induced metabolic acidosis. Clin Nutr. 2011;30(4):416-21.

35. Li M, et al. Protein requirements in healthy adults: a meta-analysis of nitrogen balance studies. Biomed Environ Sci. 2014;27(8):606-13.

36. Pedersen AN, Cederholm T. Health effects of protein intake in healthy elderly populations: a systematic literature review. Food Nutr Res. 2014;58.

37. Kim JS, et al. Dietary implications on mechanisms of sarcopenia: roles of protein, amino acids and antioxidants. J Nutr Biochem. 2010;21(1):1-13.

38. Wall BT, van Loon LJ. Nutritional strategies to attenuate muscle disuse atrophy. Nutr Rev. 2013;71(4):195-208.

39. Wu W, Zhao S. Metabolic changes in cancer: beyond the Warburg effect. Acta Biochim Biophys Sin (Shanghai). 2013;45(1):18-26.

40. Robey IF. Examining the relationship between diet-induced acidosis and cancer. Nutr Metab (Lond). 2012;9(1):72.

41. Ponisovskiy MR. Warburg effect mechanism as the target for theoretical substantiation of a new potential cancer treatment. Crit Rev Eukaryot Gene Expr. 2011;21(1):13-28.