quarta-feira, 7 de junho de 2017

Para emagrecer, você escolheria consumir mais calorias de manhã ou à noite?




Quando se fala sobre emagrecimento, é difícil não falar sobre calorias. Porque, apesar de ser uma medida de calor na definição original, as calorias são sinônimo de energia quando entramos no campo da nutrição. E energia tem tudo a ver com emagrecimento e composição corporal.

É por isso que temos a velha máxima: se alguém consome mais calorias (energia) do que o corpo gasta, essa pessoa ganha peso. E vice-versa: uma ingestão de calorias inferior ao gasto energético leva à perda de peso. Essa, a princípio, é a dinâmica do organismo, armazenando ou liberando energia, principalmente da gordura armazenada no tecido adiposo, de acordo com a demanda e a oferta de calorias.

Mas, como se pode imaginar, não é assim que o próprio corpo vê as coisas. Porque ele não consegue contar calorias da maneira como nós fazemos. Nosso organismo trabalha de um jeito um pouco diferente. Sua forma de regular a entrada, o fluxo e a utilização de energia depende de sensores e mecanismos específicos e coordenados, orquestrados por diversas proteínas, substratos energéticos e sistemas corporais diferentes.

O corpo faz essa regulação energética muito melhor do que a nossa simples contagem de calorias. Mesmo assim, não devemos descartar a ideia das calorias.

Apesar de suas limitações, e das nossas limitações como seres humanos na aplicação do conceito, as calorias são bem úteis em diversas situações. Não somos precisos como o corpo humano em perceber as flutuações energéticas, mas podemos usar as calorias dos alimentos como ponto de partida para sabermos como a alimentação influencia a composição corporal das pessoas, como na perda de gordura corporal ou no ganho de massa muscular.

É por isso que, desde que surgiu a ideia de se quantificar as calorias nos alimentos, entre os séculos XIX e XX, fala-se muito sobre elas. E faz sentido: se pelo menos parte da regulação do peso acontece pela forma como o organismo trabalha a energia proveniente da alimentação, falar sobre calorias acaba se tornando algo importante.

Mas, como costumo falar por aqui, as calorias em si não são tudo quando o assunto é emagrecimento. Não podemos achar que a regulação energética do corpo, e consequentemente a composição corporal das pessoas, depende apenas das calorias ingeridas e dispendidas. Existem vários exemplos de como a distribuição das refeições ao longo do dia, assim como o consumo de nutrientes específicos, pode mudar o balanço energético do organismo — de forma praticamente independente das calorias da alimentação.

Por exemplo, existem protocolos de jejum intermitente sem restrição calórica que levam ao emagrecimento. Se as calorias fossem o único fator verdadeiramente relevante quando o assunto é composição corporal, seria impossível uma intervenção nutricional sem restrição calórica levar ao emagrecimento. Mas acontece. Isso quer dizer que a regulação dos níveis de energia do corpo, assim como onde a energia é armazenada e como ela é utilizada, depende de outros fatores que vão além das calorias.

Além disso, temos também o efeito das dietas low-carb em pessoas com resistência à insulina e síndrome metabólica. Especificamente nesses pacientes, uma alimentação com restrição de carboidratos leva a uma maior perda de peso e gordura corporal, quando comparada a dietas mais ricas em carboidratos contendo a mesma quantidade de calorias. Assim como no caso do jejum intermitente sem restrição calórica, pode-se dizer que esse é um resultado impressionante, porque a princípio estaria quebrando leis de termodinâmica e conservação de energia da física.

E essa é apenas parte das evidências. Porque tem mais.

Hoje eu gostaria de falar sobre mais um desses casos que mostram que a questão quantitativa das calorias não é a única coisa que conta. Sobre um tópico que, até aqui, tem ficado “escondido”. Provavelmente porque a própria literatura científica ainda não deu muita atenção a ele (para ser justo, é uma ideia que tem sido explorada há um tempo relativamente curto). Consequentemente, pouquíssimas pessoas, em geral, falam sobre esse assunto.

Se você é uma pessoa interessada em emagrecimento, fique por aqui. Veja como a fisiologia humana é complexa. E impressionante.


O que você consome em cada horário?

Quando falamos sobre horários ou momentos de se alimentar, as duas ideias mais levantadas, discutidas e comentadas são:


1) Qual é o melhor intervalo de tempo entre as refeições? Comer de 3 em 3 horas? Jejum intermitente? Mais ou menos refeições no dia, com mais horas ou menos horas entre elas?

2) Comer carboidrato à noite engorda? Algumas pessoas dizem que sim, outras dizem que não. Meu amigo disse que parou de comer e emagreceu, mas minha nutricionista disse que isso é um mito. E agora?


O primeiro tópico, sobre frequência alimentar, é simples.

Apesar de muita gente ainda difundir a ideia de que comer de 3 em 3 horas “acelera o metabolismo”, diminui a fome e potencializa o emagrecimento, a literatura científica já mostrou que nada disso é realmente verdade. Apesar do cenário estar mudando aos poucos, o “comer de 3 em 3 horas” permaneceu por muito tempo como uma verdade absoluta na nutrição — assim como foi (ou é?) o caso do índice glicêmico.

Como eu nunca escrevi um texto dedicado especificamente à questão da frequência alimentar, vou esclarecer alguns pontos aqui mesmo nesse texto.

Juntando as evidências sobre o tema, os estudos já mostraram claramente que fazer mais ou menos refeições, com intervalos maiores ou menores entre elas, praticamente não faz diferença alguma. Alguns estudos mostram resultados um pouco melhores para uma frequência alimentar menor, enquanto alguns outros estudos já verificaram pequenos benefícios para uma frequência alimentar maior. Mas a maioria dos trabalhos científicos apresenta resultados nulos — ou seja, benefícios iguais em fazer um número maior ou menor refeições ao longo do dia.

Isso significa que a frequência alimentar — número de refeições e intervalo entre elas — não é um fator muito relevante, desde que as calorias sejam as mesmas para as dietas sendo comparadas. Algumas pessoas se adaptam melhor a um número maior de refeições; outras pessoas preferem um intervalo mais longo entre elas. O mais importante é adequar a frequência alimentar às preferências individuais de cada pessoa.

O segundo tópico, sobre a influência da ingestão noturna de carboidratos sobre a composição corporal, é um pouco mais complexo.

Até existe um bom número de evidências que testaram se, quando o assunto é emagrecimento, seria melhor consumir mais carboidratos à noite ou em outros horários. O problema é que virtualmente todos os sites e blogs que falam sobre o assunto nunca citam um número razoável das evidências que temos disponíveis (geralmente citam, no máximo, dois ou três estudos). Isso não é suficiente para mostrar o que a totalidade das evidências científicas já verificaram, e pode gerar análises enviesadas ou incompletas sobre o tema.

Além disso, por ser um assunto um pouco mais emaranhado, e que depende em parte dos resultados dos estudos que serão discutidos como foco central desse texto de hoje, vou deixar para falar sobre o tema “carboidrato à noite engorda?” em outro momento. Até porque esse tópico vai além da questão do emagrecimento, passando também pela influência da distribuição de carboidratos ao longo do dia em parâmetros metabólicos e de saúde.

Então agora sim podemos voltar ao nosso tema central, que não é carboidratos à noite e nem comer de 3 em 3 horas.

A pergunta que eu gostaria de responder é:

O que acontece se você mantiver constante a quantidade total de calorias e o número de refeições de uma dieta, mas alterar a forma como essas calorias são distribuídas ao longo do dia?


Timing de calorias

Já faz um tempo que o conceito de timing ficou bem conhecido na nutrição. A ideia é você aproveitar o momento “certo” para ingerir determinados nutrientes ou alimentos — o horário em que o corpo estaria no estado mais favorável para absorver ou processar o que é consumido.

É muito comum falarmos sobre timing quando nos referimos ao consumo de nutrientes na prática de exercícios, especialmente no período pós-treino. Talvez você já tenha ouvido falar da “janela de oportunidade”. No contexto da musculação, por exemplo, essa janela é considerada como o momento ideal, normalmente de 30 a 60 minutos após o exercício, para se consumir proteínas (especialmente whey protein). Dessa forma, estaríamos maximizando os efeitos anabólicos não apenas do exercício, mas também das proteínas.

A existência da janela de oportunidade como um fenômeno real é questionável, e não temos espaço para discutir sobre ela nesse texto. Mas esse é bom um exemplo do conceito de timing de nutrientes. De forma semelhante, a questão de consumir ou não carboidratos à noite também é um exemplo: pensando em emagrecimento, existiria um timing ideal para a ingestão desse nutriente?

Perceba que, em ambos os casos, estamos falando de nutrientes: proteínas e carboidratos. Algo que não se fala é sobre o timing das calorias.

Será que o momento de ingerir as calorias ao longo do dia é importante para o emagrecimento? Se sim, como isso acontece?

É essa parte que nos interessa agora.


Para emagrecer, mais calorias à noite ou de manhã?

No começo de 2013, Jakubowicz e colaboradores publicaram o primeiro estudo que se propôs a responder à seguinte pergunta: mantendo fixa a quantidade de calorias de uma dieta, o horário de consumir essas calorias faz diferença?

Para isso, os pesquisadores recrutaram 93 mulheres adultas com síndrome metabólica, mas sem o diagnóstico de diabetes, para participarem do estudo. Dessas, 74 completaram as 12 semanas de duração da pesquisa.

As participantes foram divididas em dois grupos: 1) dieta “café da manhã” (BF); e 2) dieta “jantar” (D). As duas dietas foram prescritas para perda de peso, com um total de aproximadamente 1400 kcal/dia. Ambas eram compostas pelos mesmos alimentos, e por isso também continham a mesma quantidade de proteínas, carboidratos e gorduras.

A diferença entre as dietas estava na distribuição das calorias ao longo do dia. Na dieta “café da manhã” (BF), a maioria das calorias era consumida no café da manhã (50% das kcal), seguido do almoço (36% das kcal) e do jantar (14% das kcal). Na dieta “jantar”, as calorias do café da manhã e do jantar foram invertidas, com as mulheres consumindo a maior parte das calorias na última refeição.

Depois das 12 semanas de intervenção, a perda de peso no grupo BF foi mais do que o dobro em relação ao grupo D: -8,7 kg (-11% do peso inicial) x -3,6 kg (-4% do peso inicial). Além disso, é possível perceber que as participantes que consumiram mais calorias no jantar vinham apresentando uma tendência de manutenção e até reganho de peso nas últimas semanas do estudo, enquanto que as mulheres que ingeriram mais calorias no café da manhã mantiveram uma tendência de redução do peso corporal (imagem A, abaixo):




Apesar dos pesquisadores não terem aferido parâmetros mais diretos de gordura corporal, eles mediram a circunferência da cintura, que ainda sim é uma medida indireta muito consistente com os níveis de gordura corporal. Novamente, o grupo “café da manhã” levou vantagem, com uma redução de -8,7 cm (-7,9%) na circunferência da cintura, contra -3,6 cm (-3,2%) no grupo “jantar” (imagem B, acima).

Tanto a insulina basal como o HOMA-IR, ambos marcadores do grau de resistência à insulina, apresentaram reduções significativas do ponto de vista clínico e estatístico no grupo D (-29% e -32,5%, respectivamente). Mas as reduções foram consideravelmente maiores no grupo BF: -51% para a insulina basal e -57% para o HOMA-IR.




Os resultados desses marcadores metabólicos foram tão importantes no grupo BF que, usando o HOMA-IR como padrão classificatório, as mulheres estariam fora da classificação de “resistência à insulina” ou “sensibilidade à insulina alterada”.

E isso foi visto também em outro marcador avaliado que reflete bem, mas de forma indireta, o grau de resistência à insulina de uma pessoa: os triglicerídeos. Enquanto o grupo BF apresentou uma diminuição de 80,3 mg/dL (-33,6%), o grupo D demonstrou um aumento de 26 mg/dL (+14,6%) nesse parâmetro.




Além de todos esses resultados positivos, as mulheres do grupo “café da manhã” ainda relataram menor sensação de fome e maior sensação de saciedade do que as participantes do grupo “jantar” — tanto ao longo do dia (entre as refeições) como para as dietas como um todo (12 semanas de duração do estudo).

***

Um ano depois, mais um estudo mostrou resultados semelhantes. Apesar de ter a mesma duração (3 meses), esse trabalho contou com um número de participantes menor: 36 mulheres, que apresentavam obesidade, foram do início até o final da pesquisa.

As participantes do estudo foram dividias em dois grupos: 1) intervenção, com mais calorias no começo do dia (G1); e 2) controle, com as calorias mais balanceadas entre a primeira e a segunda metade do dia (G2).

Para o grupo G1, a distribuição de calorias foi: 70% no café da manhã + lanche da manhã + almoço, enquanto que lanche da tarde + jantar ficaram com os outros 30%. Já o grupo G2 contou com a seguinte distribuição calórica: 55% na primeira parte e 45% na segunda parte do dia. Nos dois casos, as participantes consumiram dietas com restrição de 600 kcal em relação às suas necessidades energéticas.

Após os 3 meses do estudo, as mulheres que consumiram mais calorias na parte da manhã (G1) apresentaram maior perda de peso do que as mulheres do outro grupo (G2): -8,2 kg x -6,5 kg, respectivamente. Felizmente, os pesquisadores aferiram a gordura corporal (por DXA, padrão-ouro) nesse trabalho. Assim como para o peso total, houve maior perda de gordura corporal no grupo G1 (-6,8 kg) quando comparado ao grupo G2 (-4,5 kg) — e, acompanhando essa maior redução na gordura corporal, houve também uma maior diminuição na circunferência da cintura no grupo G1.




Se analisarmos as mudanças na composição corporal como um todo, é possível perceber que a perda de gordura no grupo G1 não foi maior somente em números absolutos, mas também em termos proporcionais. Isso significa que houve também uma menor perda (ou maior manutenção) de massa magra nas pessoas que consumiram mais calorias na parte da manhã. Subtraindo a gordura corporal do peso total, verifica-se que a redução de massa magra no grupo G1 foi de -1,4 kg, contra -2,0 kg no grupo G2.

Esse resultado para a massa magra é muito interessante do ponto de vista clínico, principalmente considerando que a perda de gordura corporal foi maior no grupo G1. Porque o mais comum de se acontecer é o seguinte: quanto maior é a perda de peso total, maior é a perda de gordura e maior também é a perda de massa magra. Assim, quando temos uma intervenção que leva a uma maior redução de gordura corporal, mas com uma menor diminuição da massa magra, isso é bem significativo.

Apesar de não ter sido detectada uma significância estatística para os níveis de insulina basal entre os grupos, as diferenças foram significativos do ponto de vista clínico, com resultados mais positivos para as mulheres que consumiram 70% das calorias na primeira parte do dia: -6,7 U/mL (-41%), contra -1,8 U/mL (-10%) para as mulheres que consumiram 55% das calorias na primeira parte do dia. Como resultado, a redução no parâmetro de HOMA-IR foi quase o dobro para o grupo G1 em relação ao grupo G2 (-1,37 x -0,74).

***

Um ano antes do primeiro estudo de Jakubowicz et al. (2013) citado acima, o mesmo grupo de pesquisadores já havia observado resultados semelhantes, mas com implicações para períodos prolongados com essas intervenções.

Eles compararam duas dietas: 1) mais calorias de manhã, com café da manhã rico em carboidratos e proteínas (HCPb)*; e 2) mais calorias à noite, com uma dieta low-carb (LCb)*. As dietas dos homens foram calculadas para conter 1600 kcal/dia, enquanto para as mulheres esse valor foi de 1400 kcal/dia.


*As siglas se referem ao café da manhã consumido por cada grupo.
   - HCPb = high-carbohydrate and protein breakfast
   - LCb = low-carbohydrate breakfast


O estudo incluiu mulheres e homens com obesidade, e teve duração de 32 semanas. As primeiras 16 semanas foram com o seguimento ativo das dietas. As 16 semanas subsequentes foram um período de manutenção, em que os pacientes poderiam escolher mais livremente o quanto eles queriam seguir de seus respectivos planos alimentares.

Nas primeiras 16 semanas, os dois grupos apresentaram reduções semelhantes no peso e na circunferência da cintura. Nesse ponto, temos resultados que não seguiram os resultados observados nos dois estudos discutidos anteriormente. E existem pelo menos duas possíveis razões que explicam por que o grupo que consumiu mais calorias na parte da manhã (grupo HCPb), durante a fase de intervenção ativa, não apresentou uma perda de peso superior.

A primeira explicação seria porque o outro grupo (LCb), com mais calorias à noite, consumiu uma dieta low-carb, e nós sabemos que a restrição de carboidratos é especialmente eficaz para o emagrecimento em pessoas que apresentam resistência à insulina — como era o caso dos participantes desse estudo. A segunda razão seria porque a dieta low-carb teve uma quantidade total de proteínas superior** à dieta com mais calorias pela manhã (LCb: 190 g; HCPb: 160 g), e nós sabemos que a maior ingestão de proteínas também é um fator que contribui diretamente com o emagrecimento.


**A quantidade de proteínas no café da manhã do grupo HCPb era maior (45 x 30 g), mas a quantidade total de proteínas na dieta foi superior no grupo LCb.


Mas o ponto mais interessante do estudo não é sobre o período de intervenção ativa, e sim o que aconteceu durante o período de manutenção. Nas últimas 16 semanas, o grupo HCPb (mais calorias de manhã) apresentou resultados consideravelmente mais positivos para os seguintes parâmetros avaliados:

     - Glicemia de jejum: 84 mg/dL x 96 mg/dL
     - Insulina basal: 8,9 U/mL x 23,7 U/mL
     - HOMA-IR: 1,6 x 5,9
     - Triglicerídeos: 122 mg/dL x 175 mg/dL

Além disso, os participantes que consumiram mais calorias pela manhã também relataram uma vontade subjetiva muito menor de consumir alimentos ricos em gorduras, alimentos ricos em carboidratos e fast-food. Na maior parte dos grupos alimentares avaliados, o desejo alimentar no grupo HCPb foi a metade do que foi apresentado pelo grupo LCb.

E isso ajuda a explicar o que aconteceu com o peso dos participantes. Embora a perda de peso tenha sido a mesma nas primeiras 16 semanas na fase de intervenção direta, isso mudou no período de manutenção. Nessas últimas 16 semanas, o grupo low-carb, com mais calorias no jantar, apresentou um reganho de peso de +11,7 kg (dos 15,2 kg que perderam inicialmente). Enquanto isso, o grupo com mais calorias pela manhã continuou emagrecendo, com uma perda de 7,0 kg adicionais (além dos 13,6 kg que já tinham perdido):




Essa diferença toda na perda e no reganho de peso nos faz entender por que os parâmetros metabólicos avaliados ao final do estudo, após as duas fases (intervenção e manutenção), foram tão diferentes entre os grupos. Até as primeiras 16 semanas, as melhorias foram similares. Porém, depois do reganho de peso no grupo LCb e da continuidade na perda de peso no grupo HCPb, os marcadores voltaram a piorar no grupo com mais calorias à noite (LCb), enquanto continuaram a melhorar no grupo com mais calorias pela manhã (HCPb).

Juntos com os dois primeiros estudos comentados, Jakubowicz et al. (2013) e Lombardo et al. (2014), os resultados apresentados sugerem que, além de ser mais eficiente no emagrecimento e na melhora de parâmetros metabólicos, uma dieta com mais calorias pela manhã parece ser mais fácil de ser seguida por um tempo mais prolongado — pelo menos por pessoas que apresentam resistência à insulina e estão consumindo uma dieta com restrição calórica.

Isso é importante porque uma das maiores dificuldades que as pessoas apresentam é justamente a adesão às dietas. Se temos a possibilidade de montar um plano alimentar que possui maior facilidade de ser seguido, isso já é um grande passo para alcançarmos resultados mais positivos no emagrecimento.


Timing de calorias além da perda de peso

Os benefícios do timing de calorias podem ir além do emagrecimento.

Em outro estudo com duração de 3 meses, pacientes com diabetes tipo 2 apresentaram um controle glicêmico — hemoglobina glicada (HbA1c) e glicemia de jejum — visivelmente melhor ao consumirem uma dieta com mais calorias na parte da manhã em vez de mais calorias durante a noite. Além disso, esses mesmos participantes apresentaram uma maior taxa de redução no uso de medicamentos para diabetes (31% dos pacientes, contra 0% daqueles que consumiram mais calorias à noite).

Mas algumas evidências já sugerem que a melhoria no controle glicêmico não demora muito para acontecer. Novamente com pacientes que apresentavam diabetes tipo 2, uma dieta com mais calorias pela manhã levou a níveis sanguíneos de glicose 24% menores em relação aos participantes que consumiram mais calorias no jantar — depois de apenas 7 dias.

E os benefícios parecem se estender para a síndrome do ovário policístico. O que faz sentido, já que essa patologia, assim como a síndrome metabólica e o diabetes tipo 2, também é caracterizada pela resistência à insulina.

Seguindo a mesma lógica dos estudos já mencionados, Jakubowicz e colaboradores*** verificaram que mais calorias pela parte da manhã, durante 90 dias, levou a resultados bem significativos na secreção de insulina (-54%), na testosterona livre (-50%), nos níveis de SHBG (+105%) e na secreção máxima de progesterona (+39%). Além disso, observou-se um aumento na taxa de ovulação das participantes.


***Sim, a maioria dos estudos citados até aqui são do mesmo grupo de pesquisadores. Isso mostra como o assunto tem recebido pouca atenção; se fosse diferente, mais cientistas estariam trabalhando com esse tipo de intervenção.


Tudo isso vai ao encontro do que a literatura científica tem mostrado sobre os efeitos positivos das dietas low-carb na síndrome do ovário policístico (exemplos aqui, aqui, aqui e aqui). Justamente porque os dois tipos de intervenção — dietas low-carb e dietas com mais calorias pela parte da manhã — parecem exercer impacto direto sobre o estado metabólico negativamente alterado que é característico da resistência à insulina, presente na síndrome metabólica, no diabetes tipo 2 e na síndrome do ovário policístico.


Considerações finais

Em primeiro lugar, é importante fazer a ressalva de que, até o momento, nos estudos que focaram na perda de peso e no emagrecimento, as comparações entre consumir mais calorias pela manhã e mais calorias à noite foram feitas no contexto de dietas com restrição calórica. Isso não chega a ser um problema por si só, porque as pessoas que realmente buscam o emagrecimento já consomem dietas hipocalóricas. Mas eu menciono esse ponto justamente porque ficam algumas perguntas, como:

Com mais calorias pela manhã, será que os mesmos efeitos seriam observados em dietas sem restrição calórica? Seria possível emagrecer mesmo sem reduzir a ingestão de calorias, assim como pode acontecer com o jejum intermitente? Ou será que simplesmente haveria uma manutenção do peso (como é de se esperar), uma vez que o consumo de calorias seria equivalente ao gasto energético?

E o que aconteceria no contexto de uma dieta hipercalórica? Será que o aumento na prevalência de sobrepeso e obesidade que temos no mundo poderia ter a ver, pelo menos em parte, com um maior consumo de calorias à noite? Recentemente foi publicado um estudo mostrando que as crianças norte-americanas consomem mais calorias no almoço e no jantar; poderia isso ter uma relação com o aumento da obesidade infantil (e até da obesidade geral) nos últimos anos?

A ciência ainda não sabe a resposta para essas perguntas, mas é difícil imaginar que os resultados caminhariam numa direção contrária ao que foi observado nos estudos discutidos aqui. Por exemplo, uma dieta sem restrição calórica, mas com a maior parte das calorias consumidas pela manhã, provavelmente não levaria à mesma perda de peso de uma dieta hipocalórica nas mesmas condições (como as dietas dos estudos mencionados no texto). Mas eu apostaria que existe uma grande chance do emagrecimento ocorrer, mesmo que seja uma perda menor ou mais gradual, mesmo sem restrição calórica.

E ainda que o emagrecimento não aconteça em dietas sem restrição calórica, os resultados positivos observados nos marcadores metabólicos sugerem que outros benefícios provavelmente estarão presentes para pessoas que consomem mais calorias na primeira parte do dia. Inclusive, o maior emagrecimento com a ingestão de mais calorias durante a manhã, observado nos estudos, parece ser um reflexo de como esse tipo de distribuição de calorias pode afetar positivamente todo o estado metabólica de uma pessoa. É como se o corpo estivesse falando “Essa distribuição de energia é mais adequada para o meu estado metabólico atual”. É por isso que, além da perda de peso, observamos vários outros resultados positivos em parâmetros metabólicos e de saúde.

De fato, um estudo publicado há pouco tempo, em maio de 2017, reforça o que vimos sobre saúde metabólica nos estudos discutidos anteriormente. Três intervenções foram testadas: além da dieta controle (que não interessa muito, nesse caso), os participantes consumiram uma dieta sem jantar (apenas café da manhã + almoço) ou sem café da manhã (apenas almoço + jantar). Apesar do estudo ter durado apenas 24 horas, um único dia de intervenção foi suficiente para ver que pular o café da manhã, quando comparado a pular o jantar, levou a resultados agudos negativos: maior concentração de glicose no sangue (+46%) e maior grau de resistência à insulina (+54%).

Essa é mais uma evidência sugerindo que consumir mais calorias pela manhã realmente parece exercer um efeito metabólico mais positivo no organismo. E, de quebra, são resultados que sugerem que concentrar as refeições do jejum intermitente na parte da manhã, em vez da noite, poderia fazer com que essa prática leve a resultados ainda mais positivos.

No entanto, vale ressaltar também que todos esses trabalhos ainda são estudos iniciais. Estamos apenas começando a entender como as diferentes distribuições de calorias ao longo do dia podem influenciar a composição corporal e a saúde. Mas os resultados, até o momento, sugerem que consumir a maior parte das calorias durante o dia, pelo menos num contexto de perda de peso, potencializam o emagrecimento — e, consequentemente, uma melhor recuperação de um estado metabólico normal.

Essa não é uma fórmula mágica de como emagrecer sem cortar (ainda mais) calorias. É só a ciência mostrando a enorme complexidade da nossa fisiologia, e como a alimentação pode influenciá-la de maneira surpreendente.


***
Se você vê valor no meu trabalho, considere fazer uma contribuição.